Muita gente já fala na lógica do jogo a jogo como a forma de abordar o resto do campeonato. Faz algum sentido pensar dessa forma em campo, mas neste momento o mais importante a fazer é equilibrar um plantel obviamente mal construído antes de pensar em jogo a jogo ou qualquer outra coisa.

Aceito que defesas centrais servem os que temos, considerando o André Pinto como um suplente que irá ter bastante jogo e um que venha dos juniores ou sub 23 para quarta opção.

Meio campo construtivo com Wendel, Bruno Fernandes e Francisco Geraldes também está sólido, especialmente Gudelj como sobra, e com Miguel Luís e ainda Daniel Bragança e Bruno Paz como alternativas. Sim, coloquei ali Gudelj porque provou nas últimas semanas que é incapaz de fazer a posição seis que precisamos. Muito do resultado negativo em Guimarães e ontem surgem por nunca oferecer as compensações defensivas indispensáveis.

E aí temos o grande problema do plantel, não temos nenhum seis de raiz no plantel com a excepção de Petrovic, que apesar de não ter entrado bem não é o suficiente. Mesmo que Battaglia recupere não sei se tacticamente tem a capacidade para fazer a posição 6, apesar de dar defensivamente muito mais que Gudelj.

Mas continuando, pontas de lança é um assunto que me divide. Gostava de ter mais uma grande solução, e acho que é importante para ser campeão. Mas tendo Montero e Luiz Phyllipe será prioritário? Sei que muita gente o acha mas eu não vou por ai enquanto houver outros problemas.

Nas alas ofensivas estou mais confiante de que não precisamos de reforços urgentes. Nani, Raphinha, Jovane e Diaby são quatro soluções decentes para dois lugares, por muito que entrem recorrentemente. Se houvesse dinheiro claro que gostaria de reforçar, como sempre, e gostava de poder trazer de volta Matheus ou até Iuri. Mas de longe que é o sector que menos me preocupa.

Renan e Salin na baliza servem mas não entusiasmam. São decentes, mas não passa disso mesmo. Acho que no fim do ano se devia considerar mesmo não exercer a opção de compra por Renan e ir buscar melhor, mas penso que dispersar recursos em ir arranjar outro agora seria contra producente.

Já as laterais defensivas é um problema gritante. Bruno Gaspar tem estado mal, Ristovski para mim dos 4 laterais usados é o único que tem tido um nível aceitável, e do lado esquerdo temos dois problemas. Acuña é um jogador valioso, é bom, mas a defesa lateral não tem aguentado a pressão defensiva para conseguir manter-se livre de cartões parvos. E por vezes compromete o posicionamento. Não sendo horrível é um jogador com mercado, e não me importava mesmo nada de o tentar vender na casa dos 20 Milhões e usar isso para o reforço da equipa.

Já Jefferson serve para suplente, mas nunca para titular. Cruza bem, mais do que ataca bem, e pouco mais.

Ou seja, o que fazer este mercado? Se fosse eu a decidir teria de vir já um seis. Se houver dinheiro um bom claro, ainda jovem e com algum potencial de valorização. Se houver pouco dinheiro um veterano bom. Se não houver quase dinheiro, um calhau com olhos mas que varra tudo em todas as direcções mas que ao menos liberte o resto dos jogadores.

Se conseguirmos vender Acuña que dê para financiar um trinco e um lateral esquerdo, o que seria ideal. Se der para emagrecer plantel, e recuperar algum dinheiro, com Bruno Gaspar, que desiludiu, e com Diaby, que tem estado bem mas não chega, melhor. No caso do lateral até penso que internamente se resolve, e se sair Diaby por algum dinheiro, de preferência próximo do que se pagou, dá para ir buscar alguém com mais potencial.

E sim, jogadores como Castaignos, Alan Ruiz e Misic é tentar despachar, tentando recuperar algo com eles. A não ser que o Keizer consiga pensar que consegue que Alan Ruiz jogue ao nível do talento que tem e nunca quis meter a cem por cento.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.