Hoje no nosso Estádio José Alvalade entramos em campo para jogar o clássico frente ao Futebol Clube do Porto. E tal como sempre a ambição é uma e apenas uma: ganhar.

Podíamos estar aqui a pensar em pontuações, tabelas classificativas, objectivos finais ou até plantéis como tantos nesta fase parece que se concentram. Mas em dia de jogo, seja contra quem for e especialmente quando se trata de um clássico, nunca passa nada mais pela cabeça do que este propriamente dito e o objectivo claro de ganhar.

Os árbitros

Para despachar já o assunto da arbitragem fica claro que não gosto da escolha de Hugo Miguel, que há dois anos nos retirou da luta pelo titulo num jogo assustadoramente mal apitado frente ao Braga. Tiago Martins no VAR, provavelmente vestido de vermelho como sempre, não é alguém que também transmita muita confiança.

Agora todos sabemos disso mesmo, e espero que os jogadores e restante estrutura também. O que há a fazer hoje? Jogar mais, jogar melhor, e evitar discussões patetas com árbitros em campo que dão sempre apenas para amarelar toda a equipa.

O Porto

O Porto tem uma equipa forte e temos de ser inteligentes em saber parar as suas armas principais. Impedir que Marega ganhe espaço nas costas da defesa, e que ele receba a bola virado para a nossa baliza.

Impedir também que Brahimi tenha tempo e espaço para decidir. E claro ter muito cuidado com as faltas e cantos visto o Porto ter uma série de especialistas em lances directos e indirectos.

O Sporting

Sabendo como o Porto joga, usando mais músculo que táctica e deixando os jogadores mais talentosos a decidir por si, temos de saber que o nosso sistema de jogo que tem vindo a ser implementado por Marcel Keizer pode ser um excelente antídoto para este jogo.

Se conseguirmos manter a posse de bola, saber progredir com ela controlada e manter a pressão nos homens chave do Porto mal eles a recuperem, tudo será mais fácil.

A Defesa

Há certos jogadores que temos como certo que jogarão hoje. A começar pela defesa e baliza onde Renan, Coates e Mathieu deverão ser apostas firmes como sempre.

Há esquerda será provável que jogue Jefferson jogue por castigo de Acuña. É acreditar que será daqueles dias em que não comprometerá a nível defensivo e que colocará na cabeça de Bas Dost uma ou duas bolas de golo. Se o fizer é meio caminho andado para a vitória.

Já do lado direito é expectável que jogue Bruno Gaspar, mas sinceramente preferiria ver Ristovski a voltar a assumir a titularidade. Acho-o mais consistente a nível defensivo, e a nível ofensivo integrasse melhor na manobra colectiva, mesmo que seja menos rápido que Bruno Gaspar.

O Meio Campo

Vou assumir que continuaremos num sistema de três médios como até aqui, até pela convocação de apenas quatro unidades para este sector.

Bruno Fernandes irá jogar, só alguém muito estranho retiraria do jogo o melhor jogador do campeonato. Sobram então duas vagas para três jogadores.

Na posição seis temos um dos grandes problemas do Sporting actual. Começo a pensar, e há seis meses acharia-me doido ao ler isto, que se calhar Petrovic poderá ser a solução. Tem um posicionamento mais fixo que Gudelj, tem sido frio na abordagem aos lances, e tem protegido mais os centrais e os laterais que Gudelj. Isto mesmo sabendo que Gudelj foi um jogador muito melhor que Petrovic, mas que é um oito de raiz.

Sobra a posição oito e mais uma dúvida. Ou até duas. Pode entrar Wendel, jogador que aprecio e que acho que tem potencial de craque, ficando até mais subido descendo Bruno Fernandes para a posição oito. Gosto especialmente desta solução pois permite a Bruno Fernandes pautar mais o jogo, e com Petrovic teria alguma segurança nos seus movimentos.

A alternativa será Gudelj na sua posição de raiz no lugar de oito. Com isto ganhamos mais poder de recuperação, mas ao mesmo tempo menos capacidade ofensiva. Isto apesar de libertar mais Bruno Fernandes para uma posição onde terá liberdade completa.

A frente de Ataque

Bas Dost não será titular apenas se não estiver nas condições físicas mínimas para o fazer.

Nani é um craque, mesmo com os assobios que tem recebido, e terá de ser titular nestes jogos até porque se costuma transcender ainda mais neles.

Sobra um lugar para três jogadores. Jovane tem potencia, velocidade e remate fácil, mas penso que será claramente uma opção melhor para entrar na segunda parte com o jogo mais partido.

Diaby pode ser útil para contra ataques, a sua velocidade é fantástica e com Bas Dost surge muitas vezes na zona do segundo ponta de lança a aproveitar as bolas e espaços libertados pelo holandês. Como tal é uma opção que entendo e que acredito que seja a que Keizer irá optar.

Eu no entanto optaria por Raphinha. Um perfil mais próximo do de Nani, que sabe melhor ter a bola, ocupar espaços, e fazer tanto passes de morte como é um perigo na meia distância. Com Raphinha, Wendel, Nani e Bruno Fernandes teríamos em campo 4 unidades que tanto são muito fortes no último passe, e com Bas Dost para finalizar, como no remate de longe para aquelas bolas que o fantástico holandês têm o hábito de amortecer para trás para remate dos colegas.

Sejam quais forem as opções confio no Keizer, e espero que hoje nos volte a dar uma alegria. E claro, agora seguir para o Campo Grande que as roulotes estão à nossa espera.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.