Sábado, Dezembro 14, 2019
Início Análise Confrontos com a verdade Benfica recebeu perdão de 77% da Banca semelhante aos 70% agora do...

Benfica recebeu perdão de 77% da Banca semelhante aos 70% agora do Sporting

Hoje o assunto do dia em qualquer tasco é que o Sporting teve um perdão de dívida por parte da banca, coisa que dizem nunca ter acontecido a nenhum outro clube a este nível.

Na realidade não é bem um perdão. O Sporting tem com a banca emitidas VMOCS, um mecanismo em que se compromete a pagar por cada um destes títulos um valor de 1 euro recebendo de volta o título. Caso contrário podem ser automaticamente convertidos em acção. Por eles o Sporting recebeu na altura uma soma significativa. Ao pagar agora apenas 30 cêntimos por cada uma é na realidade um desconto de 70%, mas está longe de ser um caso único em Portugal.

O BES compra 1.832.530 Acções da SAD do Benfica

O BES aceitou, de Manuel Vilarinho, um processo semelhante em tempos. Este fez um empréstimo sob penhor das acções que tinha do Benfica, que foi aceite pelo BES. Em tudo semelhante a uma VMOC visto mais tarde o banco ter sido obrigado a executar o penhor ficando dono de 1.832.530 acções da SAD do Benfica.

No meio desta operação o BES perdeu 8.4 Milhões de Euros.

O BES vende as acções da SAD com perda de 77,1%

Em 2017 a Benfica SAD emite este comunicado.

Imagem

Ou seja o BES comprou estas acções, como as VMOCS ao Sporting, por um valor total de 8.4 Milhões de euros. E acabou a vender as mesmas ao Benfica em 2017 a um valor de 1.9 Milhões d euros.

Fazendo rapidamente as contas estamos a falar de uma venda em que o Novo Banco perdeu 77.1% do valor investido. No caso do Sporting apenas perderá 70%. A quem é que foi o maior perdão mesmo?

Que tenha sido o último erro de Renan de Leão ao Peito

8
Hoje na lógica, correcta, de dar rotação ao guarda redes suplente do campeonato na Liga Europa Renan Ribeiro foi titular em vez de Max....

Chico Geraldes não consegue ser melhor que Misic?

4
Francisco Geraldes é um jogador que aprecio desde que surgiu nos escalões de formação do Sporting. Elegante em campo, bom toque de bola e...

Não faria sentido levar um central júnior?

2
Sairam os convocados para o jogo da Liga Europa frente ao LASK e salta logo à vista a zona dos defesas apenas...

Joguinho razoável, mas do melhor que temos feito

1
Acabar um jogo com 28 remates, 9 dos quais enquadrados, é melhor do que tem sido hábito no Sporting este ano. Daí podermos dizer...

Max de novo titular, uma aposta que se deve apoiar

1
No jogo da Taça da Liga vi com a atenção a exibição de Renan e dei comigo por diversas vezes a pensar que Max...

13 COMENTÁRIOS

  1. E, não esquecer tb, aquele pagamento ao fisco por parte dos lampiões. No tempo da D Ferreira Leite, qd era responsável pelas finanças. Pagamento feito com acções, que não valiam um pataco furado. Lol

    • A ministra das Finanças Manuela Ferreira Leite (adepta do FCP) afirmou, «o pecado foi ter conseguido do Benfica 4 milhões de euros para os cofres do Estado», tendo procedido à avaliação das acções já anteriormente aceites pelo último Executivo como GARANTIA da dívida fiscal do clube.

      O Governo negou ter feito um acordo com o Benfica. A ministra das Finanças mostrou-se chocada com as acusações de conluio. Limitou-se a seguir a lei.
      As acções da SAD foram aceites como garantia para impugnação da sua dívida fiscal do Benfica.
      A ministra assinou um despacho em que corroborou o parecer da administração tributária sobre a avaliação das acções da sociedade desportiva (SAD) do clube. Dessa forma, interpretou a lei no sentido favorável ao clube, ao aceitar esses títulos como uma garantia idónea para a impugnação da dívida fiscal por parte do Benfica.

      O Benfica contestou o montante de 1,25 milhões de euros que devia ao fisco, em juros de mora sobre a dívida, que totalizava cerca de 7,5 milhões de euros. No entender do Clube não há lugar ao pagamento de juros de mora dado estar a ser acordado o pagamento da dívida.

      Ferreira Leite adiantou que «entendi (quando assumiu a pasta das Finanças) segurar os interesses do Estado e o meu pecado foi o dinheiro do Benfica entrar para os cofres do Estado e valorizar as garantias que já estavam dadas».
      «Não fiz nenhum acordo com nenhum clube, não vou descriminar e não vou fazer nenhum favor a nenhum contribuinte».

      A Ministra das Finanças optou por avaliar o valor das acções da SAD do Benfica pelo critério «do imposto de sucessão e doações», porque as mesmas «não estão cotadas em Bolsa».

      O despacho não é oficialmente divulgado porque, segundo fonte do Ministério das Finanças, poderia revelar aspectos da vida fiscal do clube e, por isso, quebraria o sigilo fiscal desse contribuinte. Mas como o PÚBLICO apurou, a ministra assinou o despacho em que deu o seu assentimento à forma como a administração tributária – incluindo o anterior director-geral dos impostos – propôs avaliar as acções da SAD do Benfica à luz das regras do imposto sucessório.

      A ministra Manuela Ferreira Leite justifica essa sua decisão por respeito à autonomia da administração tributária sobre esse tipo de matérias. A sua assinatura seria, desse forma, um mero deferimento do pedido da administração fiscal.

  2. A idiotice no seu melhor – as acções dadas para garantia do empréstimo eram do Vilarinho não eram do Benfica – ou seja quem recebeu o empréstimo foi o Vilarinho e não o Benfica!
    Isto foi um empréstimo pessoal, não foi a um clube.

    Meu Deus a que chega a imbecilidade para disfarçar o perdão!

  3. É só iluminados que nem lêem o que escrevem….as acções eram do Vilarinho não do Benfica, logo foi um empréstimo pessoal não ao clube para além de que na altura o BES era totalmente privado agora o Novo banco anda a ser capitalizado com dinheiro público….enfim! Não admira que estejam como estão.

    • Se eram do Vilarinho, então ainda é mais grave. Perdoar ao Sporting é perdoar a uma instituição de utilidade pública, agora perdoar ao Vilarinho, porquê? É um bocado estranho.

  4. As ações do BES/NovoBanco não foram vendidas ao Benfica mas sim a um outro investidor. Lê o comunicado todo.
    Quem comprou as 1832530 ações foi o sr. José António dos Santos.
    Ninguém obrigou o NovoBanco a vender naquela altura. Venderam (a outro investidor) a um preço baixo (que era o valor de mercado na altura) porque quiseram. Tivessem esperado dois anos e teriam feito pelo menos o dobro. Até poderiam ter feito o triplo.
    Quanto às VMOCs, o Sporting não recebeu nenhuma “quantia significativa”, na altura. As VMOCs são dívidas que o Sporting não conseguia pagar.
    Os bancos não as podem vender no mercado. Não são ações. Só podem recuperar o dinheiro se o Sporting pagar. E isso deveria ter acontecido em 2016 (com parte delas). Mas não aconteceu. E prolongaram mais 10 anos e ainda converteram mais dívida em VMOCs.

  5. 1) o empréstimo foi dado pelo BIC e não pelo BES. O BES ficou com ele quando comprou o BIC.
    2) o NovoBanco não vendeu as acções ao Benfica. Vendeu a um investidor chamado José António Santos.
    3) em 2008, o Benfica e o BES chegaram a discutir a recompra dessas ações. O valor rondaria os 2 euros. Mas o negócio não se concretizou.
    4) em março/abril de 2014, as acções estiveram a rondar os 3 euros. O Novo Banco não quis vender.
    5) só vendeu em 2017. Negociou com um interessado e vendeu ao preço de mercado.
    6) o BENFICA não foi dito nem achado nesse processo. Como nenhuma empresa é quando dois investidores negoceiam ações.

  6. Que artigo distorcido…

    Meu caro, e vergonha na cara?

    É preciso isto para nos defendermos quando, quer Porto, quer Benfic@, tiveram exactamente as mesmas possibilidades de fazer uma cena de VMOCs e só não avançaram para isso porque os bancos impunham um Administrador na Direcção da SAD, como aconteceu com o Sporting?

    Caramba. Limitem-se à verdade, que é mais que suficiente.
    Andarem a distorcer as coisas, não só vos fica mal, como parece que estão a esconder alguma coisa…

  7. Desculpem lá… vcs não podem pensar que estão a contar uma história a lorpas… Mesmo que estejam a falar verdade, coisa que não tenho a certeza, no caso do Benfica estamos a falar de uma desvalorização das ações em que no total o Banco perdeu perto de seis milhões. No caso do Sporting, o clube não quer pagar, entra em incumprimento e obriga o Novo Banco e Milennium a terem um prejuizo de perto de 95 MILHÔES de EUROS!

  8. Um artigo tendencioso sem qualquer valor jornalistico. Estamos a comparar valores incomparáveis, no caso do Benfica foram cerca de 6 milhões e no Sporting 95 milhões. É o mesmo que duas pessoas pedirem empréstimo a um banco , uma para comprar uma casa e outra para comprar uma bicicleta e no fim os dois só pagam cerca de 30 % … é o caso comparar perdas de 6 milhões com perdas de 95 milhões.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site utiliza cookies. Mais informação

Este site utiliza cookies para ajudar a disponibilizar os respetivos serviços, para personalizar anúncios e analisar o tráfego. As informações sobre a sua utilização deste site são partilhadas com a Google. Ao utilizar este site, concorda que o mesmo utilize cookies.

Fechar