Quinta-feira, Outubro 22, 2020
Início Análise Jogos Análise à vitória do Sporting frente ao Paços de Ferreira

Análise à vitória do Sporting frente ao Paços de Ferreira

Ontem o Sporting foi a Paços de Ferreira vencer o clube local por duas bolas a zero, como se costuma dizer sem apelo nem agravo. Mesmo que não tenha sido a melhor exibição de sempre foi uma exibição sólida quanto baste, e nunca pareceu que o resultado pudesse vir a ser diferente.

Hoje o alvo dos nossos adversários tem sido a arbitragem. Isto porque consideram que o penalti foi erradamente assinalado. Aceito isso com alguma facilidade, no entanto há um pormenor importante, dificilmente o VAR poderia retirar esta decisão.

Segundo o protocolo do VAR este só pode reverter um erro claro, e o lance é duvidoso na melhor das hipóteses. A bola toca no braço do jogador do Paços, impedindo a progressão da mesma. O braço estava claramente levantado, aumentado em muito a volumetria. Aqui a única salvação é a bola vir de um ressalto, e aí entramos na parte subjectiva da questão. Aceitaria facilmente se não fosse marcado penalti, mas dizer que foi um erro claro é má fé.

Tal como de má fé, e contra o Sporting, foi esta arbitragem, em que acabamos a receber seis cartões amarelos em apenas 12 faltas. Uma média completamente disparatada, e quem viu o jogo percebeu o quão errado foi o critério. Até porque para o Paços de Ferreira apenas seguiram 2 amarelos, em 18 faltas. E houve várias para amarelos óbvias, aquela de Eustáquio, aos 57 minutos, à entrada da área com um jogador do Sporting isolado é a mais incrível de não ter gerado amarelo.

Assim Fábio Veríssimo condicionou desde logo o jogo, mas também os próximos, pois numa epoca atipica como esta ainda vai ser mais relevante a questão das ausências disciplinares.

Os Jogadores do Sporting

Adán fez um bom jogo, mesmo não tendo sofrido nenhum remate enquadrado. Pode parecer estranho, mas não é. Mostrou critério a organizar a defesa e capacidade de transmitir calma e confiança. Agora Neto aproveitou isso demais, e o excesso de confiança, aliada a uma capacidade frágil de tratar a bola, fizeram os Sportinguistas passar alguns calafrios, sendo a pior unidade da defesa.

Coates voltou a estar imperial defensivamente, mostrando até alguma química com Feddal. Química essa que resultou em grande no golo que marcou com boa assistência do marroquino. Feddal que a defender não esteve mal, mas tentou usar e abusar do passe longo, com sucesso moderado. Se a taxa de acerto aumentar pode ser uma boa arma, de um jogador que se nota que não é tosco.

As alas entregues a Nuno Mendes e Porro são neste momento o ponto mais fácil de se gostar no Sporting. Dois jovens, mas que estão a jogar muito personalizados e com uma qualidade bem acima da média. Os 14 cruzamentos feitos por Nuno Mendes num jogo apenas, 8 deles certeiros, são a prova disso mesmo, e um novo record do campeonato.

Se as alas têm estado bem o miolo é de longe a maior fonte de problemas. Wendel esteve melhor, não fez grandes erros, mas na realidade produziu pouco. Já Matheus Nunes está a pedir que Palhinha recupere rapidamente do Covid e assuma o lugar, porque assim é jogar com menos um.

Vietto continua na sua bipolaridade. Mesmo jogando como referência na frente é uma ameaça quase nula em termos remates, sejam de longa, média ou curta distância. Por outro lado a bola sai sempre redonda dos seus pés, e foi dos jogadores que mais perigo criou para outros. Não fez um mau jogo, longe disso, mas precisa de algo mais.

Jovane marcou o golo de penalti, e pouco mais de relevante antes de sair lesionado. Já Tiago Tomás ganhou o penalti, teve um par de boas arrancadas, e podia ter marcado em duas ocasiões. E se tivesse passado a Nuno Santos quando se isolou apenas com o guarda redes em sua frente, teria somado uma assistência fácil.

Nuno Santos que entrou para o lugar de Jovane, e entrou bem. Rápido, aguerrido e sabe o que fazer e quando fazer. Não recebeu nenhuma bola de golo, nem teve propriamente bons alvos para servir na área para conseguir assistir, mas somou boas indicações e pede mais tempo para breve.

Outro que pediu mais minutos foi Daniel Bragança, entrando para o lugar de Vietto, teoricamente entre o falso nove e a posição dez, conseguiu alguns momento interessantes, um deles de belo efeito ao picar a bola por cima de um adversário para a ir recolher mais a frente, e três passes longos de excelente qualidade.

Já Antunes e Sporar entraram tarde, e para deixar algumas duvidas. Primeiro que tudo o Português entrou para lateral direito substituindo Porro, causando alguma estranheza, e somando algumas duvidas sobre Ristovski que não foi convocado, e não é conhecida nenhuma lesão.

Sporar por seu lado entrou para em pouco mais de dez minutos tocar apenas quatro vezes na bola, falhando dois passes, e perdendo a bola nas outras duas vezes. E isto saindo da ala direita, provavelmente para tentar conectar com cruzamentos de Nuno Mendes e Nuno Santos vindos da esquerda, mas foi algo que acabou por não aconteceu. Gosto muito dele, mas a sua passagem por este jogo foi algo que se esquece com facilidade.

Conclusões

Um jogo que, tal como o de quinta feira frente ao Aberdeen, dominámos todo o tempo, e que mesmo sem nota artística ganhamos facilmente.

A exibição foi melhor, mas as dúvidas sobre o meio campo não deixam de crescer. Mas sabendo que Pote e Palhinha ainda continuam de fora muito pode mudar em breve. Preparar agora o jogo de quinta feira para o Playoff da Liga Europa frente ao LASK, e esperar que já haja mais recuperados, e já agora que a lesão de Jovane seja algo de rápida recuperação.

Frederico Varandas, o Murro na Mesa e as Consequências

1
Estava confortavelmente a ouvir a conferência de imprensa de Rúben Amorim, por sinal excelente, quando de repente surge a notícia de que...

Um empate com um Porto ajudado à anos 90

0
A quem se lembra dos anos 90 deve lembrar-se bem de equipas do Sporting cheia de jogadores técnicos, muita posse de bola...
Pinto da Costa Vieira

Pinto da Costa mente, Portistas, e alguns Sportinguistas, aplaudem

3
Ontem à noite vi de repente uma data de Sportinguistas e Portistas a elogiar uma entrevista de Pinto da Costa. Diziam que...

João Mário: Um Verão de mentiras, rumores e espera angustiante

1
As mentiras, os rumores e a espera angustiante enquanto se assistia a tudo isto por João Mário

Falando apenas do regresso de João Mário

1
Neste momento está confirmado, o bom filho à casa torna, e João Mário volta a ser jogador do Sporting. Bem sei que...

1 COMENTÁRIO

  1. Excelente analise.
    Ressalvaria apenas duas situações, se em primeira instancia consideraria o Mateus Nunes com características de 8, a realidade é que ele a 6 tem, realizado um bom numero de recuperações de bola, em contrapartida as suas conhecidas melhores características como passe longo, e progressão tem estado muito aquém. De salientar que com a subida no terreno do Wendel em muitas situações o Mateus Nunes se viu em inferioridade numérica dificultando de sobremaneira a sua exibição, para finalizar caso esta situação se mantenha prevejo as mesmas dificuldades para o Palhinha.
    A segunda situação é na Analise ao Antunes, apesar de ter substituído o Porro, o Antunes se deslocou para a sua posição habitual de lateral esquerdo, tendo o Nuno Mendes é que se deslocado para lateral direito.
    Continuação de um excelente trabalho.

    Com os melhores cumprimentos, diretamente dos Açores. Saudações Leoninas

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Este site utiliza cookies. Mais informação

Este site utiliza cookies para ajudar a disponibilizar os respetivos serviços, para personalizar anúncios e analisar o tráfego. As informações sobre a sua utilização deste site são partilhadas com a Google. Ao utilizar este site, concorda que o mesmo utilize cookies.

Fechar