Existem muitas maneiras de ganhar um jogo. Dizem tradicionalmente que cada vitória vale três pontos. E que qualquer vitória é uma vitória.

Mas não é bem assim. Há aquelas vitórias de 2-0 ao intervalo, jogando o suficiente e ganhando calmamente e sem sobressalto. Sim, se fores Sportinguista estás pouco habituado a estas, e quantas vezes esse 2-0 é um 2-1 que te deixa de coração na mão até ao fim. São três pontos, mas sofridos.

Depois à a vitória à clube pequeno. Aquele 1-0 suado, com todos os ferrolhos e autocarros que possas imaginar, e que ganhaste sem saber ler nem escrever num ressalto às três tabelas.

Há aquela sabruno césarborosa vitória com um golo aos 94 minutos, quando já só um Sportinguista acredita. E há as vitórias gordas que surgem mais do acaso, e da sorte de cada remate acabar em golo. Mas sem a equipa fazer uma real exibição para isso.

E depois há as vitórias como a de ontem. São mais raras bem sei. Mas são as mais saborosas de toda. A classe que toda a equipa do Sporting espalhou em campo foi qualquer coisa de mágico. Defender pela posse e espaço. Controlar o jogo. E jogar rápido e certeiro para a baliza.

Os golos são todos magnificos, mas tenho que destacar o terceiro. Uma troca de bola rápida, e envolvente, que acaba num centro perfeito para um cabeceamento sem mácula. Que jogada. Que jogo. Que equipa.

Isto é o Sporting Clube de Portugal!