Vítor Pereira

Vítor Pereira anunciou ontem que não se recandidataria ao cargo que ocupa na Federação Portuguesa de Futebol. E assim deixará de ser o todo poderoso da arbitragem em Portugal. Fechando um ciclo em que transformou toda a estrutura de observadores e delegados.

No seu ciclo deixou de haver uma ligeira vantagem das arbitragens para o Porto para passar a haver uma enorme vantagem das arbitragens para o Benfica.

Os Sportinguistas e os Portistas regozijaram com este facto. E a imprensa muito falou do abandono de Vítor Pereira da arbitragem. Mas eu ao ler a nota do ex-árbitro reparei num pormenor que ainda não vi citado na imprensa. Fica a citação, com um sublinhado meu.

As palavras de Vítor Pereira

“Ao fim destes 10 anos, que se sucederam a uma carreira de 23 como árbitro – que incluiu a presença nos Campeonatos do Mundo de 1998 e 2002, no Campeonato da Europa de 2000, na final da Taça UEFA de 2001/02 e na Supertaça Europeia de 2001 –, termino agora um ciclo no dirigismo nacional, pelo que não me recandidatarei nas próximas eleições na FPF.”

Foi esta parte que me ressaltou à vista logo. A palavra Nacional parece ser tudo menos casual ali. O que me levou logo a pensar, para onde irá Vítor Pereira?

Depois passou-me pela cabeça uma coisa. Vai haver agora eleições na FIFA, e um gajo com a falta de espinha dorsal de Vítor Pereira ambiciona sempre um lugar desses. E caso não dê para tanto, algumas pessoas que estão nas UEFA em funções semelhantes passarão para a FIFA, abrindo vagas aí.

A pergunta que me fica é: será que num órgão desses Vítor Pereira continuará a ser um fiel escudeiro do Benfica, ou passará a sê-lo de tudo o que é Português? O bom era que fosse honesto, e não beneficiasse ninguém. Mas quem o conhece sabe que nunca será esse o caso…

PARTILHA

8 COMENTÁRIOS

  1. Uma boa noticia para o futebol português. Cresceu e desenvolveu toda a sua carreira como árbitro convivendo com vícios que eram considerados normais. Pensava-se que teria a capacidade de alterar esse estado de coisas, tal não aconteceu, piorou e regrediu o estado da arbitragem. Colou-se ao Benfica, para se agarrar ao poder. Precisamos de criar condições que permitam aos jovens árbitros evoluírem, que tenham um líder que os defenda, que o público e dirigentes permitam que passem a ser um elo importante deste desporto apaixonante.

  2. Duvido muito que os espanhóis (angel villar) deixem o poleiro na uefa, o que sustenta os clubes europeus é a uefa não é a fifa…..basta lembrarem-se das arbitragens que o SCP sofreu estes 2 últimos anos contra russos e alemães, bem como aquela final perdida do carnide contra os espanhóis para verem o que é que interessa….

Deixar uma resposta