O jogo que mais me custou a digerir na primeira volta tinha sido o de Guimarães. Fomos dominados de inicio ao fim desse jogo, como mais nenhuma na Liga Portuguesa. Este domingo fui para Alvalade com a sede de vingança. Não apenas em busca de uma vitória, de um resultado. Em busca de mostrar que somos melhores que o Vitória. Busca de mostrar como mostrámos frente a Porto e Benfica, que os melhores somos nós.

O Vitória entrou em campo com ideia de me estragar os planos. Agressivo e ofensivo, com dois pontas de lança preparados para nos fazer frente. Dez minutos em que o Vitória esteve muito forte, mas depois tudo mudou.

Slimani descai para a direita para conseguir segurar uma bola difícil, levando consigo dois defesas. Abre curto para Carrillo que cruza na perfeição para João Mário, a aparecer qual ponta de lança, concretizar de cabeça. Todos falam do peruano e do português neste lance, mas o trabalho do nosso argelino foi preponderante para este golo.

A partir daí o jogo simplificou. A alma leonina apareceu, a pressão subiu, e viu-se desde logo que este jogo era nosso. Bons golos, boas jogadas, e muito bom colectivo.

De destacar Ewerthon, que esteve muito forte e seguro, a dar um toque de experiência que durante grande parte da época faltou ao nosso sector mais recuado. Já Paulo Oliveira esteve nervoso o tempo todo, e acabou expulso num segundo amarelo que podia ter evitado. Mesmo considerando que o mesmo é exagerado.

Miguel Lopes esteve muito bem também, a dizer presente, e a pressionar Cédric Soares. Cédric é mais rápido, tem melhor drible e talvez mesmo melhor passe curto. Mas Miguel Lopes tem um desarme muito forte, é mais alto, e os seus cruzamentos foram muito mais venenosos que os do seu colega mais novo. Uma boa dor de cabeça para Marco Silva, mas qualquer um dos dois dá garantias.

De resto, uma boa vitória, muitos golos, muita alma, e uma boa casa, mesmo na fase actual da época. Isto sim é Sporting!

Deixar uma resposta