Ontem fui para Alvalade com grande esperança. O Sporting tem sido cada vez mais aquilo que deve ser, o maior entre os grandes, e cresce a cada jogo que passa. À equipa do Futebol Clube do Porto e dos milhões reconheço qualidades claro. Respeito não posso dizer que lhes tenha para ser honesto, mas encaro-os como adversários difíceis.

No entanto saí com um amargo na boca. O empate não me parece fazer justiça ao que vi em campo, especialmente na primeira parte. Mas tenho a certeza de qual foi a melhor equipa, e essa fomos nós!

Pontos Positivos

O maior de todo foi o conjunto da táctica, pressão e atitude com que Marco Silva colocou a equipa em campo. Marco Silva ordenou, e a equipa cumpriu. Já não via a equipa do Sporting fazer uma pressão deste nível há muitos anos, especialmente contra uma equipa da dimensão do Porto.

Especialmente na primeira parte fizemos uma pressão de sonho. E a quantidade de oportunidades criadas foram reflexo disso mesmo. Juntando pressão à criatividade demonstrada tivemos tudo para se calhar até golear o Porto.

O trabalho de choque realizado por Slimani foi muito bom. Encostando aos centrais adversários e ganhando a maioria das bolas aéreas que vinham de trás. Com esta trabalho garantia que quando a opção de construção passava por bola longa pelo centro do terreno, esta seria encaminhada depois aos dois alas.

E enquanto estes dois alas foram Nani e Carrillo o futebol foi mágico. Ofensivamente exuberantes, e mais surpreendentemente defensivamente esforçados. As arrancadas de ambos enchem o coração do adepto de alegria. E o trabalho defensivo que apresentaram metem a razão do adepto muito satisfeito.

João Mário fez mais um enorme jogo, enquanto teve pilhas. A sua primeira parte é incrível. A criatividade demonstrada pelo jovem médio uma lufada de ar fresco em relação ao passado recente. E o auxílio que deu a William no campo defensivo, imitando o que Adrien fazia quando a bola ia para o outro lado, foi uma grande evolução. Lembro-me do João Mário da equipa B onde lhe faltava esta capacidade de auxílio defensivo. Neste momento já a tem.

Jonathan Silva merece também destaque. Pelo golo claro, é sempre um bom motivo. Mas um lateral flectir para o meio aparecendo como segundo ponta de lança não é muito comum. Juntou isto a uma exibição muito personalidade. Fazia lembrar um Insúa da primeira época, mas mais ligeiro e menos conflituoso.

Rui Patrício foi mais uma vez o pronto socorro. Quando o pulmão faltou, e o azar e falha dos centrais aconteceu, São Patrício surgiu e defendeu tudo o que foi possível. Continuo a achar quando deve sair do Sporting: daqui a 10 anos!

Pontos Negativos

A falta de público. Sim, estavam 37.999 espectadores em Alvalade. Mesmo com resultados abaixo do que queremos a equipa tem jogado futebol que devia trazer todos os adeptos ao estádio nestes jogos. Mesmo o problema de ser uma sexta feira não devia ter impedido uma casa cheia. Podem dizer que estou a ser demasiado exigente, mas é a opinião que tenho.

A clemência que temos demonstrado. Este jogo era para estar morto ao fim da primeira parte. Criámos mais do que oportunidades suficientes para matar o jogo ali. Falta de sorte depois, como na bola da Capel ao ferro, foi apenas o extra. Temos de ser implacáveis!

Os centrais voltaram a falhar. Maurício esteve bem nos confrontos com Jackson, mas falhou nas dobras e no posicionamento mais uma vez. Sarr está a crescer, mas devagar. Gosto muito do tempo de entrada a bola que tem, mas não está sempre onde devia estar. E por vezes precisava de ser mais incisivo. E a sua capacidade com a bola nos pés dá-me suores frios. Rui Patrício teve constantemente o problema de não ter um central que soubesse sair com a bola. E tinha de optar por arriscar a passar a um destes, ou bombear a bola.

A falta de baterias no segundo tempo. Foi o preço a pagar pela excelente primeira parte, mas também penso que teve um pouco a ver com substituições pouco convincentes.

E as substituições foram para mim o ponto fraco de Marco Silva. Se concordei com o onze titular, discordo de todas as substituições. Teria usado a primeira para colocar Rosell para ajudar a refrescar o meio campo, provavelmente por Adrien, ainda quando estava 1-0. João Mário seria rendido por André Martins quando acabaram as suas pilhas. Perderíamos a criatividade mas a pressão seria mantida até ao fim.

Ou seja tanto a entrada de Capel como a de Mané para mim estão erradas, e acho que ambos até entraram mal. Capel com raça, Mané com vontade, mas tirando o remate ao travessão nada de muito positivo surgiu de ambos.

E depois Slimani por Montero. Percebo que Slimani tinha um amarelo, e que estava quente. Mas perdemos por completo a capacidade de recepção de jogo longo com a sua saída. Montero não serve para este tipo de jogo, nem para servir de cunha a este ataque. Tem qualidade, pode jogar com o Slimani, mas o Sporting neste momento sem Slimani perde uma unidade indispensável no plano de construção. Tanaka, mais aguerrido e alto que Montero, poderia dar isso à equipa. E se calhar passa pela sua chamada ao banco nos próximos jogos.

O maior ponto negativo foi no entanto não ganhar. Especialmente quando o jogo era nosso.

Conclusão

Os problemas dos últimos jogos revisitados. Defesa que falha na zona central, e golos não finalizados. Mas o futebol que temos mostrado, a atitude à Sporting em todo o campo, só me fazem ter a certeza que utilizarei a Gamebox até ao limite. E sempre que os rapazes de verde e branco entrarem em campo desta forma, terão em mim um apoiante!

Deixar uma resposta