Numa noite que foi de festa mais de trinta e sete mil pessoas compareceram em Alvalade. Juntando o facto de ser o primeiro jogo em casa da época à chegada de Nani tudo estava preparado para uma noite de espectáculo.

O Sporting entrou dominante, mandão, com muita bola no pé e vontade de mostrar serviço. O problema é que compareceu em Alvalade um adversário que queria tudo menos jogar futebol.

O Arouca confirmou o pior pensamento que tinha deles e entrou em campo com um autocarro de dois andares. Num jogo destes tudo se complica para quem quer jogar um bom futebol, e nada parecia resultar.

O meio campo do Sporting parecia ter duas unidades a menos. Rosell, talhado para ser o tampão das investidas dos adversários, tinha menos trabalho que um pescador no deserto. E André Martins não sabia muito bem o que fazer perante uma zona central tão povoada. Adrien no entanto continuava na tarefa de ser o primeiro a pressionar, recuperar bolas e colocá-las de novo prontas a jogar pelos alas.

Alas esses, tanto Carrillo como Nani, em bom nível. Perdi a conta à quantidade de cruzamentos tirados pelos dois. E por Jefferson e Esgaio a solicitações deles. O problema é que Montero, e depois Mané e Tanaka, não são Slimani. Com a defesa tão fechada o nosso pinheiro Argelino fez imensa falta.

A saída de Rosell ao intervalo pareceu-me lógica, mais por falta de trabalho que por estar a jogar mal. Mané entrou para o seu lugar, e ficou o Sporting com três jogadores a jogar soltos nas costas de Montero.

Montero jogou bem, mais, acho que todos na frente jogaram bem, mas este tipo de defesas é horrível para quem tenta entrar com a bola pelo solo. E pelo ar os problemas mantinham-se.

Tentando refrescar algo Marco Silva retirou Nani por Capel, e arriscou tudo colocando outro ponta de lança, Tanaka, ficando o meio campo entregue a um homem apenas: Adrien Silva.

E que monstro que Adrien foi. Mesmo não havendo grande tentativa em ter bola por parte do Arouca Adrien atacou defendeu e manteve sempre a equipa o mais unida possível.

Em desespero, e sem nunca parar de atacar, já quando era quase só coração, Tanaka dispara ao poste, e Mané aproveita para em recarga colocar um pouco de justiça no marcador.

10559799_10152242158396555_2878863141398600247_n

Recuso dizer que a equipa jogou mal. Vou mais longe, se tem marcado um golo nas inúmeras chances da primeira parte o jogo teria acabado em goleada. É este o caminho. E Nani e Carrillo nas alas dão outra magia. Em jogos em que o espaço exista acredito que as combinações com Montero trarão espaços e golos. Nos outros, será Slimani, ou outro pinheiro caso este saia, a estar lá para finalizar entre centrais.

Gostei muito apesar de tudo, e a equipa está claramente a crescer!

2 COMENTÁRIOS

  1. Epa jogámos mal em vários aspectos, com a pressão q o Arouca estava a fazer devíamos ter circulado a bola horizontalmente para os cansarmos, os jogadores do Sporting não sabiam circular no terreno e ir buscar a bola ao companheiro, na transição recuperação->ataque encostava-se tudo à linha defensiva do Arouca, ficando médios do Arouca a interceptar e ninguém do Sporting no meio campo para circular a bola. Não querendo dizer que o Sporting tenha jogado mal, o Pedro Emanuel é um bom treinador e a equipa não se adaptou à pressão. Ah, e o Carrillo desceu claramente de nível, cruzamentos para fora não os conto, assim como ao Esgaio falta muito pulmão para preencher aquela posição. SL

    • Mas muito do que falas para mim foi a falha do André Martins. Num jogo destes tinha de ser ele a estar entre linhas a procurar receber a bola numa das alas e promover a circulação até à outra.

      O resto mais ou menos encaixa tudo bem, faltou o pinheiro….

Deixar uma resposta