Saí de Alvalade com o sangue a ferver. A raiva incendiou o sangue após o saque que Cosme Machado protagonizou em Alvalade. A fúria da justiça divina do resultado trazido por Montero finalizou a obra. O sangue fervia, e de nada valia pensar em escrever algo de seguida. Deixei passar mais de vinte e quatro horas até deixar marinar as ideias.

A vitória foi um bom resultado. Estamos três pontos mais perto do título. Mas o jogo teve muito mais para falar do que apenas isso.

O que gostei

Freddy Montero. Sou um dos seus críticos repetidamente. Tem talento para dar e vender, mas normalmente acaba por ser inconsequente. Desta feita entrou, fez duas assistências que só não foram golo por um acaso do destino. E marcou o golo quando teve chance. Muito boa exibição do colombiano.

Adrien Silva é um super Capitão. Uma garra ao nível do Capitão Beto e um golo ao nível do capitão Barbosa. Jogou, lutou, fez jogar, jogou e claro, marcou. Que exibição!

Rúben Semedo entrou e sacou uma exibição cheia de qualidade. Defendeu bem, tentou estar em todo o lado. Isso levou alguns erros de posicionamento, ou de ir ao mesmo lance que outro colega. Mas de longe uma exibição personalizada e positiva. E uma saída de bola melhor que qualquer outro central verde e branco até agora nesta época.

Marvin fez uma exibição ainda melhor que Rúben. Muito certo a defender, atacou com critério e mostrou que é reforço. E provou que caso Jefferson volte a campo mas na baixa de forma que estava, vai ter problemas.

João Pereira voltou a rubricar mais uma excelente exibição. Desde que chegou concorrência para o lugar que isto tem sido uma constante.

Carlos Mané teve uma exibição estranha. Falta de confiança para rematar. Mau posicionamento. Falta de ambição em alguns lances. E depois dois cortes fabulosos, uma assistência e mais duas ou três situações criadas. Com os positivos que teve claramente que foi um bom jogo. Mas ao mesmo tempo fica aquele ligeiro amargo de boca.

Esse amargo de boca fica ainda maior quando penso no jogo de Bryan Ruiz e João Mário. Ambos donos de um talento que nos faz sonhar. Ambos sacaram alguns bons apontamentos. Ambos mostraram vontade. Mas ambos se agarraram demasiado em alguns momentos, tal foi a sede que tinham de resolver o jogo.

Quarenta mil Sportinguistas em Alvalade. Sempre a apoiar e a acreditar. Isto é o Sporting, e deixa sempre um sorriso. Até em jogos contra adversários do fundo da tabela.

E claro, mais uma reviravolta. Desta feita dupla, e contra tudo e contra todos. É desta fibra que se fazem os campeões.

O que não gostei

Do golo sofrido de bola parada logo a abrir o jogo. Falha de marcação e de concentração de toda a defesa, que deram mais uma vez uma borla, e tiveram de correr mais de seguida.

Do árbitro. Um penalti por marcar. Um golo que deveria ter sido invalidado. Errático no critério. E para coroar aquele momento em que dá um cartão amarelo a Adrien por marcar rápido um livre que ele se esqueceu de dizer que era só depois de apitar.

Da fragilidade física dos nossos centrais. Naldo lesionou-se e Ewerton parece neste momento que está sempre lesionado. Tornou-se um problema mais que uma solução. Vamos ver se com a chegada de Coates isto acaba.

Em suma, um bom jogo, sem nota artística, que foi sendo complicado pro questões externas. Acabou bem, mas cada vez mais temos de estar preparados. Não basta sermos os melhores para ser campeão. Temos de ser muito melhores!

Deixar uma resposta