Normalmente não comento um jogo no mesmo dia em que este ocorreu. Prefiro dormir sobre o assunto, e pensar várias vezes sobre tudo o que se passou. Mas hoje com um par de horas passadas penso que já o consigo fazer.

Antes de mais temos de admitir que o Wolfsbugo tem uma grande equipa. Grandes individualidades, sendo que para mim a melhor delas é mesmo Kevin De Bruyne. Os passes do Belga foram sempre venenosos, e conseguiram colocar sempre a nossa defesa em sobresalto.

Depois, e para sermos honestos, temos de ver que houve uma grande penalidade por marcar a nosso favor. Com o intervalo à perna, e estando o resultado a zeros, é um facto relevante.

Oriol Rosell esteve bem defensivamente, e ofensivamente seguro, mas claramente não é William Carvalho. O Português tem uma capacidade completamente diferente para aguentar mais tempo a bola, e decidir de forma ainda melhor. Além disso funciona como opção de reset para cada ataque. Quando a linha avançada acha que não tem hipótese na jogada, pode sempre recorrer ao nosso pivô para recomeçar. Rosell sendo um bom jogador, e não tendo estado mal, não oferece tanto.

Nani e Carrillo estiveram esforçados, mas faltou magia. Mesmo com João Mário em bom plano perto deles. E aqui penso que começa o nosso problema. João Mário a 10 rende menos que a 8. Muito subido viu-se a sua qualidade de passe, mas não tem um drible curto que possa resolver nessa zona de forma mais decisiva. E as suas melhores investidas foram mesmo quando recuava uns metros, e armava o jogo de trás.

Sei que pode parecer insistência, ou teimosia minha, mas não seria Gauld uma unidade que ofereceria outras soluções nestas situações? Não renderia ainda mais João Mário uns metros mais atrás, armando lances com mais espaço?

Montero fez um jogo de sacrifício, mas sem efeitos práticos. Muita luta, muita falta sofrida, mas pouco ou nada deu ao jogo. Cédric esteve bem, tal como os centrais. Que bela dupla estamos a formar.

Jefferson foi colocado na fogueira pelos comentadores, e nas redes sociais. Falhou em alguns lances, e foi mesmo a nossa unidade que mais errou. Mas daí a dizer que a culpa é toda dele. Os adversários que enfrentou foram muito fortes, e ele não é o melhor do mundo a defender. Não fazendo um bom jogo, acho que exageram nas críticas que lhe fazem.

Adrien fez um jogo esforçado, comandando as hostes em campo e dando o primeiro exemplo de luta. Mas quem realmente nos comandou foi o nosso capitão: Rui Patrício. Mais uma exibição de enorme quilate do nosso guarda-redes. Mais uma grande noite europeia de Rui Patrício. E mais uma vez surge em grande depois de um jogo menos conseguido. É nisto que se vêm os grandes homens.

Agora daqui a uma semana é lutar, lutar e lutar. E se tivermos a sorte do nosso lado, pode ser que o apuramento ainda esteja ao nosso alcance!

Deixar uma resposta