Sou um enorme defensor do vídeo-árbitro desde que se começou a falar dele há mais de uma década.

No entanto bem sei que nem tudo são rosas, e que mesmo nos lances em que este é chamado a intervir nem sempre decidirá bem.

Ontem foi um exemplo disso mesmo.

Jornal Record 29-05-2017

Não deixará de ser um passo muito positivo, mas enquanto muitos destes árbitros e observadores se mantiverem alguns dos problemas serão mantidos.

Ontem mais uma vez isso sucedeu.

4 COMENTÁRIOS

  1. O VA vai depender muito da isenção do árbitro que analisa os lances em vídeo. Assim sendo, se o árbitro não for isento, vai torcer, sempre, para onde lhe der jeito – como no caso em análise!
    Duarte Gomes, benfiquista assumido, nunca poderá estar por trás das câmaras em jogos que envolvam os 3 grandes – é ser analista em causa própria. Estando, só verá o que convém.

  2. Penso que segundo as regras implementadas em Portugal o VA aqui não podia fazer nada. Se fosse marcado pênalti é que o VA podia ser chamado e decidir se era ou não, se o jogo continuou o VA não pode intervir. Bem ou não acho que são essas as regras em Portugal

Deixar uma resposta