Shikabala chegou no inverno passado ao Sporting. Foi colocado na equipa B  visto não ter condições físicas para entrar logo na equipa. Não competia a sério há já algum tempo, e a liga de onde vinha era de uma intensidade completamente diferente.

Que foi uma jogada de marketing também toda a gente percebeu. Um jogador dinâmico, num mercado pouco explorado, e que rendeu algum atenção nas redes sociais da zona. Até aqui tudo ok. Mas e futebol mesmo, que é para o que se paga aos jogadores? Bem, teve dez minutos no último jogo do campeonato. Fez uma ou duas fintas giras, levantou muitos aplausos das bancadas, e foi de férias.

Chega a pré temporada e tem oportunidade de se mostrar ao novo treinador. Tem magia nos pés ocasionalmente, mas zero conceitos tácticos. E mesmo a magia é grande o suficiente para se tornar um regular na equipa, especialmente com a idade que tem.

O seu lugar subalterno já era conhecido quando acontece o amigável no Egipto, e onde fica retido por problemas burocráticos. Muito se especulou nessa altura os motivos. O rumor mais gravoso para o Sporting é que o jogador teria querido uns dias extra de férias e maquinado tudo isto.

Em virtude destes rumores o Sporting colocou um processo de averiguações interno. Que já vai durando à bastante tempo acrescente-se.

Ontem o representante do jogador em Portugal vem dizer que Shikabala fez tudo como o pior rumor dizia. Não é normal um empresário ou representante vir a público defender o Sporting contra um atleta seu.

Mas mais estranho ainda é que hoje o Sporting em comunicado oficial vem dizer que o processo continua em averiguação, e que o Shikabala tem sido um excelente profissional.

Tudo demasiado confuso com um jogador que vale mais por jogadas mediáticas do que em campo. Para mim, toda uma situação que dispenso bem e que quero que acabe o quanto antes. Este não é um Slimani ou Rojo que são realmente relevantes.

Deixar uma resposta