Já que partilhamos o vídeo do lance do golo mal anulado, na nossa opinião, a Bryan Ruiz, faz sentido também partilhar este. Ezequiel Schelotto foi derrubado, disso não há qualquer tipo de dúvida, à margem da lei. Mas segundo a maioria das pessoas foi travado ainda fora da área.

Vendo o vídeo sou obrigado a concordar, seria livre directo, e não penalti. No entanto o resultado já estava feito. O 3-0 da altura não teria grande alteração com este lance. Mas sendo um lance em que houve um erro do árbitro a nosso favor, não nos fica mal admitir isso mesmo.

 
PARTILHA

4 COMENTÁRIOS

  1. É difícil de ver, mas Schelotto sofreu dois toques. O primeiro foi fora de área mas reparem que o segundo toque foi já dentro da área. Foram dois toques consecutivos, apenas se pode discutir se o primeiro toque é que conta ou se conta só o segundo. Por mim, contaria o segundo por dois motivos:

    1. Lei da vantagem (não se assinala o primeiro toque, mas o segundo foi dentro da área e aí não se aplica a lei da vantagem e assinala-se o penalti).
    2. São dois toques distintos, não é uma falta que começa fora da área e se prolonga para dentro, onde se deveria assinalar onde começou a falta.

  2. Segundo as regras se a falta é iniciada fora e termina dentro é penalty.
    Foi o que ocorreu, o homem foi rasteirado fora e atropelado dentro (ou vice-versa) o penalty existe.
    Mais ainda, o lance é a grande velocidade e o árbitro não pode beneficiar o infrator (optando pela menor penalização em caso de dúvida). Neste efeito é como o penalty do Tondela, que não sendo se entende a decisão do árbitro de assinalar apenas porque parece penalty.

    • É daquelas coisas que é cada vez mais complicado analisar. E todos os anos eles mudam ligeiramente o conceito de acabar e começar a falta. Mas sim, segundo esse ponto de vista será penalty.

      De qualquer forma, e o motivo do artigo, é que até podemos ter sido beneficiados nesse lance. Mas não foi por ele o resultado.

Deixar uma resposta