Ontem e hoje inúmeros artigos, tanto em imprensa tradicional como em blogs, falam da nossa última presença da Liga dos Campeões. Muita gente refere a juventude e o entusiasmo com que jogamos a fase de grupos. Outros referem a triste eliminação à mão do Bayern de Munique na fase a eliminar. Mas o que me lembro é ligeiramente diferente.

A equipa era jovem. Aí concordo com toda a gente. Mas o futebol na primeira fase não era minimamente entusiasmante. Era um futebol à imagem do que o losango de Paulo Bento nos vinha habituando. Raçudo, combativo, e muito virado para o resultado. Mas com um nível de criatividade demasiado deficitário, e vivendo à custa do golo mais ou menos casual.

E depois com outro erro muito comum em Paulo Bento e que ele repetiu até à exaustão: a Teimosia Táctica. Jogávamos da mesma maneira tanto contra Shakhtar Donetsk ou Barcelona. Bayern ou Basileia. E se isso nos trouxe as quatro vitórias competentes contra Ucrânianos e Suiços, trouxe maus resultados contra o resto. E mesmo em quatro vitórias marcamos 5 golos, mesmo sem sofrer nenhum. Competência, pouco risco, e muita juventude. E depois falta de coragem em mudar contra Barcelona e Bayern com os resultados que se conhecem.

Ora é aí que reside a diferença. Apesar de mantermos uma equipa muito jovem o estilo do treinador é outro. Acredito que Marco Silva vá com mais riscos para cima de adversários teoricamente mais fracos, e jogando mais aberto. E também que contra adversários como o Chelsea tente mudar algo tacticamente para tentar surpreender o adversário.

E gosto muito mais deste estilo e atitude de Marco Silva, em relação ao que Paulo Bento tinha. Se vai ter melhores resultados? Complicado, até porque existe mais riscos nesta maneira de agir. Mas estarei com ele!

Deixar uma resposta