Com o fim da Gamebox adepto muita gente que era apenas adepto, mesmo sendo sócio de claques ou núcleos, ficou sem hipótese de comprar uma Gamebox.

Este é o argumento que tenho visto em muitos comentários por aí, e que acho um erro. Primeiro que tudo porque continua com essa hipótese, só tem de primeiro se tornar sócio do Sporting Clube de Portugal.

Faz-me muita confusão, e acho claramente errado, alguém ser sócio de uma claque ou núcleo de apoio ao Sporting, e não ser sócio do Sporting em si. Querer ser membro de uma parte sem ser membro do todo parece-me não só errado como uma falácia natural.

Acho que os núcleos e claques deviam ser os primeiros a exigir aos seus sócios que o fossem também do Sporting. Nada menos que isso.

E que direitos acho que os sócios de claques e núcleos, e não do Sporting, devem ter? Os mesmos que qualquer outro adepto não sócio. Nem mais nem menos.

Os dois argumentos mais usados pelos defensores do inverso são:

  • Mas o estádio sem as claques não tem graça e o Sporting não sobrevive sem elas.
  • Os adeptos dos núcleos fazem milhares de quilómetros para ver o clube deviam ter protecções especiais por causa disso.

O primeiro acho execrável. Gosto muito do apoio que as claques dão ao clube, e o colorido que elas dão ao estádio é algo que aprecio. No entanto o clube viveu com muita saúde 70 anos sem claques. E continuaria a viver sem elas, mesmo que mais pobre.

Quanto ao segundo, acho uma falácia. Os núcleos são importantes e um ponto de contacto de todo o país com o Sporting que apesar de ter sede em Lisboa é um clube de Portugal. No entanto acho que poderia era haver um desconto nos bilhetes para sócios que viessem de determinadas distâncias, ou mesmo a sócios de claques que também o fossem do clube. Agora nunca usar isso como argumento para não se tornarem sócio.

E numa altura em que precisamos de cada vez mais sócios, todos deviam fazer o esforço de o fazer!

Deixar uma resposta