Não só de tácticas vive o jogo, mas da sua execução por parte dos jogadores. Nesse campo foi interessante ver como os jogadores que já estavam no plantel interiorizaram as ideias do novo treinador. E claro é sempre interessante ver os jogos jogadores. Mas como esteve cada um?

Boeck – Não acho que seja o suficiente para um titular do Sporting. No entanto nestes dois jogos foi poucas vezes posto verdadeiramente posto à prova, e quando o foi esteve bem.
Cédric – Beneficiou da nova táctica. Muito integrado nas acções ofensivas teve alguns momentos interessantes. Penso no entanto que será ainda melhor com um grande cabeceador, Slimani, na área. Isto por a sua qualidade de cruzamento ser uma das armas que mais potencia.
Jefferson – Teve algumas boas arrancadas, mas mostrou-se mais em termos ofensivos a dar linhas de passe do que a fazer quilómetros. Com mais pulmão de futuro, com o avançar da época, parece estar aí para mais uma boa campanha.
Dier – Pareceu-me que está mais duro e mais lesto em dar-se ao contacto, de forma positiva claro. Na saída de bola e posicionamento esteve sempre bem. Não é o jogador mais rápido, mas não houve mal nesse capítulo.
Mauricio – Imperial a defender. Sabe usar o físico que tem, e não tem medo de jogar simples. Sólido como sempre.
Paulo Oliveira – Muito nervoso. Tentou jogar “de pantufas” e mostrar as qualidades que o trouxeram ao Sporting, mas não lhe correu de feição. Precisa de tempo.
Rosell – Fez com que a ausência de William não fosse notada. Muito bom a respeitar as ideias tácticas do treinador, e muito forte na posse de bola. Bom reforço.
Adrien – O ano passado foi o motor do meio campo, e este ano continua ligado. Continuo a achar que devia tentar aparecer por vezes mais em zona de tiro, mas pronto ninguém é perfeito.
André Martins – Numa táctica que lhe deu mais liberdade criativa respondeu muito bem. Uma clara melhoria em termos de condução de bola em relação às suas mais recentes performances.
Wilson Eduardo – Mais uma vez mostrou que sabe marcar golos. Um segundo avançado mais que um extremo que soube aparecer bem no jogo que jogou.
João Mário – Se calhar a melhoria do André Martins passou também pela aparição de João Mário para lutar pelo lugar. Muito seguro e com uma grande qualidade de passe mostrou que este ano vai ser uma peça importante.
Ruben Semedo – Como trinco foi um fracasso. Mal entrou a equipa sentiu a sua falta de colocação posicional, mau tempo de entrada aos lances e passes sempre em modo de pontapé para a frente. Gosto muito dele e acho que tem potencial, mas a central.
Slavchev – Será o suplente de Adrien para começar. E nisso mostrou alguns pormenores interessantes especialmente na disponibilidade para tabelinhas e triangulações. Parece interessante, mas apareceu menos que Rossel por exemplo.
Carrillo – O potencial está lá, isso já sabemos. Muito rápido, incisivo quando quer e de remate fácil. Numa táctica como a de Marco Silva em que se pede ao extremo para ser muitas vezes um avançado tem tudo para triunfar. E nestes jogos foi uma das unidades mais em foco.
Carlos Mané – Não esteve particularmente bem. Um pouco “preso” de movimentos, talvez ainda em modo de férias, mas continuo a ver-lhe potencial forte. Tal com Carrillo pode beneficiar da táctica de Marco Silva.
Capel – Ao contrário de Carrillo e Mané perde com a nova táctica. Vontade tem, mas ir sempre correr de cabeça baixa junto à linha e cruzar neste sistema é perder lances. Fracamente mal apesar de esforçado.
Heldon – O pouco tempo que jogou serviu mais para levar uma entrada feia do que para mostrar algo. Vamos ver como reage quando tiver mais tempo para mostrar.
Montero – Fez um excelente trabalho a combinar com o meio campo e a solicitar a presença dos extremos em zona de finalização. Bons jogos e o talento continua lá.
Tanaka – Será um Montero de olhos em bico? As movimentações são semelhantes, e a vontade de se integrar no jogo é elevada. Tem menos qualidade técnica que o colombiano mas parece mais forte fisicamente, e igualmente com um bom remate exterior. Parece que temos suplente, e com vontade de fazer uma gracinha.

Poucas más exibições, e muito querer e organização no que me parece uma excelente pré-temporada até ao momento.

De salientar também a camaradagem e o bom ambiente que parece transbordar.

(continuação da análise feita aqui táctica feita aqui)

Deixar uma resposta