Porto Benfica

Vi o jogo do Porto em casa frente ao Benfica com alguma atenção entre amigos depois de sair de Alvalade na sexta feira.

Estava mais curioso por ver o que cada um dos clubes do sistema conseguia apresentar em termos de futebol real. E isso foi uma desilusão completa. Jogo muito duro, mas sem real qualidade. De um lado não sabiam finalizar, do outro não sabiam construir.

Por entre uma e outra coisa vimos um árbitro perdolário em termos disciplinares, que teve um erro muito grave num lance que anulou antes de um remate. Como aquele que escandalosamente tirou dois pontos ao Sporting quando Alan Ruiz marcou, mas que já tinha soado o apito no passe de Bas Dost para impedir a intervenção do vídeo árbitro.

No sábado nem queria acreditar no que estava a ver. Ambos os clubes a protestar que foram gravemente prejudicados.

Primeiro o Benfica a dizer que Filipe devia ter visto vermelho directo. Bem, na realidade é um lance que se aceitaria o vermelho, mas que o amarelo é também aceitável. Mas são estes que dizem que este lance no ano passado não era vermelho:

Coerentes deste 1908… Mas pronto, numa coisa tenho de concordar inequivocamente com o Benfica.

O adepto do Porto entrou em campo e agrediu Pizzi, que tinha acabado de agredir Marega sem punição. Neste caso o Porto deverá ter o seu estádio interdito. É essa a regra e tem de ser cumprida.

E sim, bem sei que no passado o Benfica teve algo ainda mais grave, com a agressão de um adepto a um árbitro auxiliar não punido.

Benfica Árbitro arbitragem diabo

Agora isso não dá carta branca a situações destas poderem ocorrer. O mal foi ter passado em claro dessa vez. Seria duplamente mau se desta vez se repetisse o erro grave de não punir exemplarmente estes casos.

O Porto por seu lado queixa-se de dois penaltis por marcar e um golo anulado. Dos penaltis apenas o Luisão me parece que possa ser. Para mim é penalti, e como tal seria segundo amarelo e expulsão. Mas aceito perfeitamente a decisão de deixar seguir. É um caso dúbio, e claramente no limite da decisão.

Bem sei que Luisão tem carta branca para este tipo de coisas, e um historial de lances perdoados impressionante. Mas tem de se avaliar caso a caso. E neste aceito perfeitamente a decisão do árbitro e VAR.

Onde o Porto tem claramente razões de queixa é no lance do suposto golo anulado. Nele, tal como no de Alan Ruiz em que nos tramaram dois pontos, o lance é parado pelo árbitro antes do remate, impossíbilitando que o vídeo-árbitro intervenha para manter a verdade desportiva.

Este tipo de lance é grave e tem de ser reafirmado a todos os árbitros que devem deixar seguir sempre, mesmo que pareça óbvio, para depois o vídeo-árbitro manter a justiça. Neste caso o Porto tem razões claras de queixa, como nós também já tivemos. Podemos dizer que perderam com isto dois pontos, tal como nós o fizemos.

Em suma, pode o Benfica exigir a interdição do Estádio do Dragão? Sim, claramente e deve mesmo acontecer, visto ser justo. Claro que é hipócrita serem eles a falar disto tendo em conta o seu historial.

O Porto pode queixar-se do árbitro? Sim, no lance do fora de jogo agiu incorrectamente, e pode ter prejudicado em dois pontos o Porto.

Mas não deixa de ser engraçado ver os dois clubes do sistema a falar destas coisas, e a acharem-se prejudicados…

3 COMENTÁRIOS

  1. Bom dia. Sendo que o auxiliar levantou a o braço, não tem que ser obrigatoriamente marcado fora de jogo? É que a meu ver, assim, os auxiliares podem ser dispensados. Ou então marcar os foras de jogo deixar de ser da competência deles. Assim deixa-se sempre jogar e depois o VAR analisa. Isto é só o meu ponto de vista. SL

  2. O FUTEBOL é um NEGÓCIO de PROFISSIONAIS! Pode custar muito dinheiro um “penalty” não marcado!
    “Benfica exige que Estádio do Dragão seja interdito.”? Quem foi o responsável que o disse? Quem está a fazer pressão sobre os orgãos disciplinares da FPF? São o FCP e o SCP???
    E exige, ponto final?
    Pensava que lhe competiria apenas dizer que: – “Deve fazer-se Justiça e o Porto deve ser castigado em conformidade com as Leis vigentes”!
    Mas não.
    Habituado à arbitrariedade (favorecimento contra a Lei), nem deixam saída a quem irá Julgar!
    Quero, Posso e Mando!
    O futebol vive assim e também me parece que a maioria das instâncias que deviam intervir, que “assobiam” calmamente para o ar e “parlam” como se desconhecessem o principal problema real. As arbitragens.
    Quem gosta de ser enganado a torto e a direito? Ou só os Srs. árbitros serão “vacas sagradas” e, como tal, intocáveis?
    Recentemente, o responsável superior, questionado sobre os árbitros e críticas que lhe são feitas, “assobiou” para o lado e deles, nem pronunciou o nome da sua função!
    “Tá” tudo dito sobre o que os orgãos superiores das estruturas do Futebol pensam sobre os erros sucessivos que têem vindo a ser cometidos!

  3. Quando se vê o grande problema que constituem os “off sides”, com influência directa nos resultados e, logo, nas classificações dos clubes e nas suas receitas, deveriam tentar resolvê-lo.
    Sobretudo porque a decisão dos auxiliares será, quase SEMPRE, um palpite sobre o assunto.
    É humanamente IMPOSSíVEL, olhar com um olho para um “objecto” e com o outro olho para outro. Mesmo aparentemente isso aconteça com os estrábicos! O cérebro só tem “instruções” para focar os dois olhos no mesmo objecto e fazer o processamento da luz recebida. Não sei se há exepções!
    E, ainda por cima, com dois ou mais jogadores e uma bola, normalmente, em movimento??? Só o camaleão!
    Primeiro deveriam acabar os “off sides”, substituindo-os, à semelhança de outras modalidades com bola ou com “melão”, que já o fizeram, sem quaisquer sobressaltos!
    E, por exemplo, estabelecer uma linha de anti-jogo, já existente, que eu me lembre, há muitos anos, sem contestações e sem problemas.
    No caso do futebol e dada a dimensão do campo, poderia ser a linha transversal que marca o início da grande área. Assim não haveria uma grande abertura angular para os “alvos” e “os palpites” já teriam maior acuidade!
    Porque não, os agora chamados árbitros auxiliares, passarem a árbitros verdadeiros, com plenos poderes, podendo marcar faltas, cada um no seu meio-campo, cumulativamente com o árbitro principal? No caso de dúvida, eram mais 2 olhos!
    Haja vontade e imaginação.
    Só quem tem vindo a lucrar com o actual “status”, incluindo a UEFA ( ou seus dirigentes), com foras-de-jogo “encomendados”, pode opor-se!

Deixar uma resposta