Depois da paragem para as selecções volta o campeonato, e de novo com um Derby. Não sendo o principal Derby da cidade não deixa de ser um confronto histórico entre duas das maiores equipas do país. Hoje à noite o Sporting Clube de Portugal enfrentará em Alvalade o o Clube de Futebol “Os Belenenses”.

O Adversário

O Belenenses não está numa das melhores fases da sua história, mas será sempre um clube que tentará ganhar. Junta a isso um treinador que tem muito valor, Lito Vidigal, mas que tem tido azar por factores extra futebol.

Irá provavelmente praticar um futebol físico, mas apostado em fazer estragos no contra ataque. E nesse campo muito desse perigo virá da velocidade imposta nas alas por Fábio Sturgeon. O ala português o ano passado fez estragos no jogo em Alvalade e este ano tentará de novo.

E no centro do ataque Deyverson é um daqueles avançados difíceis de defender. Alto e forte fisicamente será o alvo da maioria dos centros que os alas conseguirem colocar na nossa área.

Outra pequena nota para Matt Jones. O ano passado em Alvalade começou a perder tempo no primeiro minuto de jogo. Que tenha mudado este ano.

O Sporting

A equipa começa a consolidar, e alguns dos jogadores começam a ter o lugar cativo fruto das boas exibições. Um desses casos é o de Naby Sarr, que desde a saída de Marcos Rojo tem ganho o lugar, e neste momento é mesmo mais indiscutível do que o próprio Maurício.

Maurício esse que tem estado menos forte que o ano passado. O Xerife anda mais inseguro, mas ainda tem alguma margem. Se melhorar os níveis exibicionistas o lugar continuará dele. Caso contrário um dos reforços, ou Tobias, poderão em breve ter uma oportunidade.

Enquanto Cédric não voltar Esgaio poderá continuar o bom trabalho a titular que tem apresentado. Se bem que quando voltar Cédric, Marco Silva terá boa dor de cabeça para resolver.

No meio campo e ataque quase tudo está resolvido por agora. William, Adrien, Carrillo, Nani e Slimani têm convencido e merecem continuar. O problema fica na casa 10.

André Martins ou perdeu o lugar ou perderá em breve. Manter a táctica e usar no seu lugar João Mário é uma opção. No entanto Carlos Mané tem entrado para esse lugar a meio das partidas, jogando como segundo avançado e convencido. Montero também poderá fazer bem essa posição, e dará mais poder de fogo ainda.

Consistência com João Mário, velocidade e magia com Mané, poder de fogo com Montero. Ou benevolência e mais uma oportunidade para André Martins. Eu neste jogo optaria por Mané, mas vamos ver o que decide Marco Silva.

Prognóstico

Será um jogo difícil mas não espero que seja também um jogo aberto. O nosso relvado é grande, e Lito Vidigal não é um treinador de autocarro. Teremos de ganhar o jogo, e de preferência de dar algum espectáculo. Até para chegar com a moral elevado ao primeiro jogo da Liga dos Campeões.

Deixar uma resposta